domingo, 9 de outubro de 2016

Happy birthday, John

In my life
When I was a little boy
I once had a boy or should I say he once had me
So This boy told me
I was great!

The magic of the music touching my soul seems to light the way
And open up the doors if you turn off your mind
Do you want to know a secret?
There’s nothing on earth we can’t do
And God is a concept by which we measure our pain
Because
Everybody has to be the weaver of his own sweat dream
And the word is love. All you need, please
Try to make it better each and every day. And do it!
Just keep on playing the mind games to the end of the beginning and say:  I want you!

 Like a UFO you came to me and I call your name
Won’t you come out to play?
There’s never a space in between the beat our hearts

Oh, boy!
Nobody told there’d be days like these… Help!

Bless you
Wherever you are
You are here, a real love: thank you, thank you, thank you.




Para comemorar o seu aniversário, um desenho de aprendiz, em grafite. Foto de uando de sua viagem à Índia.  
Uma Poesia, verdadeiro atentado aos direitos autorais, já que os versos são todos do próprio John. Meu mesmo, só a ideia e alguns conectivos necessários. Além da homenagem e agradecimento.

quinta-feira, 24 de março de 2016

Why the Get Back Project" was abandoned

John and Paul never have fought. It was the way they wrote their songs. It began in several jokes, bad words, nonsense, Until that the joke became a song. In the middle of the process they arguing. But was tottaly professional. Each one of them respectet the "idea Beatles". The Project "GetBack" didn't work because they realize that was impossible to get back. Because they are geniuses and looked forward. That's why it was impossible to get back. And then, they. joked. They didn't want to play to de showbiz and fonographic business.They played to be happy and to have fun. They loved what they did. And all worked out exactly because that. They were The Beatles and nobody knew exactly the meaning of that. All that things were very heavy and tire, and boring. And they notice that they had made their part. And the Beatles was that. And then, they began to prepare an album that would tell the world what had been The Beatles.The walk betwen The Church Street to the Abbey Road. And then they showed. Abbey Road is a fantastic way that they told us and told us the Beatles History, since from the begining. SgtPeppers was The Beatles cover a band, like they used to do in Hamburg. Abbey Road was The Beatles telling us their absolutely wonderful Historyu. "(ºJº)"

Some time in the future. I will tell here how was Abbey Road made. It's an amazing report.

quarta-feira, 23 de março de 2016

The lyrics of the Beatles songs

Words have no owner. John used to write short stories, stories and things since learned to write. He "learned" to write songs in Hamburg, when he sang the B sides of success, in order to have extensive repertoire. When he could not remember the lyrics of the songs, invented the letters. Since no one knew the songs, everything was right. Hence the move to write their own songs was a little step. And he used all the resources, all appeared to him, in order to write something. The greatest proof of this was "Being for benefit of Mr. Kite". "(ºJº)".

domingo, 20 de dezembro de 2015

The Rooftop Concert

video


Pensar que o Rooftop Concert foi uma improvisação e que foi interrompido pela chegada da Polícia é uma infantilidade. Oupior, desconhecer por completo, o "espírito Beatles".
A brincadeira de tocar no telhado foi muito bem programada e realizada. Incluysive a chamada da Polícia, para dar os ares que eles (John) mesmo queriam: meliantes. Pois o Projeto era Get Back, o retorno. O retorno aconteceu principalmente em Hamburgo. Onde eles eram meros meliantes que tocavam à noite em um puteiro no cais, bem ao gosto dos marinheiros de todo o mundo: um puteiro a céu aberto.
Eles vieram de Liverpool, garotos razoavelmente bem-comportados para os padrões locais, de adolescentes pobres e razoavelmente meliantes. Roubavam discos, por exemplo. Nada de dinheiro para comprar.  Cachês então, nem pensar. Eram, na verdade,pequenas esmolas,parauns garotos que tocavam razoavelmente mau. Apensar de terem um carisma e uma vontade incrível. Mas o Amor não pagacontas.
Em Hamburgo pegaram rapidamente o espírito: tocavam até a hora em que havia um maldito marinheiro bêbado. Para não correr o risco de levar uma cadeirada. Ou uma mesa. Ou o que houvesse para ser atirado. O cachê era ridículo. A ser dividido por quatro. Isso quando era pago e eles não recebiam nada. A razão: ah, o dono da buate não queira pagar. Quer motivo melhor?
E eles perambulavam durante a noite, nas parcas noite de folga, por aquela Hamburgo que de longe era feita para adolescentes ingênuos de Liverpoool. E faziam das suas, coisas de adolescentes, obviamente irresponsáveis. Dentre elas, aliviar o bolso de algum bêbado desacordado. Ou quase. Para complementar o orçamento. E as inevitáveis brigas. Em uma delas, Stu levou uma pancada na cabeça. O que resultou em um hematoma subdural crônico. Que se manifestou apenas alguns meses após e o levou à morte. Quando ninguém mais nem mesmo se lembrava direito de quando havia acontecido. E nem sabiam também que tinha acontecido exatamente isso. Nem mesmo a Medicina sabia direito sobre isso. e eles eram garotos ingênuos, metidos a roqueiros, vindos da inexpressiva Liverpool.
Deixando a imensidão que aprenderam a respeito de tocar e se apresentar em público, aprenderam tudo de ilícitos e de uma vida adulta, pobre e irresponsável em uma excelente escola: o porto, principalmente estrangeiro. Longe de casa. Aparentemente impunes,por sua estrangeirice.
Não ficaram impunes. Foram expulsos do país. E, cada qual de uma maneira parituclar e vexatória, voltou a Liverpool. Georgedemorou uns quatro dias, tendo dado a volta em metade da Europa, antes de chegar em cas. Primeira classe? Não,não. Viajando de favor, por esmola, escondido, ilegal,o que fosse. E, quando chegou em casa, chegou contando vantagens. Para justificar o "sucesso" da "excursão", aos pais. Aquele aprendiz de malandragem e música contava com os seus 16 anos. Razão inclusive da sua deportação: menor de idade, infrator, trabalhando ilegalmente no país e etc.
Essas foram razões suficientes para a conclusão óbvia: chega desse negócio de The Beatles. Isso não dá futuro. Vamos morrer disso! E morreu mesmo: Stu. Pete Best, como um menino mimado, "riquinho" para o padrão dos demais, obviamente desistiu. Afinal, ele apenas tocava na banda porque era o dono da bola e tinha que estar no time. Paul resolveu, por orientação do pai a procurar um emprego que lhe desse futuro e o que comer. E estudar, feito a um garoto que preste. George, o mais massacrado como resultado da viagem, desistia sem mesmo saber do que estava desistindo, a mando dos pais.
John era Beatles. Ele não podia desistir de si mesmo. Já havia queimado todos os seus navios. A escola perdida. A chance para continuar os sofríveis estudos irreparavelmente perdida. Só lhe restava mesmo ser Beatle. Seja lá o que isso pudesse significar. Após amargar uma ressaca de uma semana da encantada tourné por Hamburgo procurou o Paul: vamos tocar! Ele havia conseguido uma agenda no Cavern. No dia anterior, ligou para Paul que estava em seu novo trabalho. Paul lhe disse que estava pensando, sobre as coisas,sobre o futuro, sobre Hamburgo e etc. Johh; nossa apresentação é às 12;30h. Se você não estiver lá, está fora! às 12h Paul lá estava, tendo dito no trabalho que estava doente e que não poderia trabalhar. O resto? Bem o resto já se sabe, de uma ou outra maneira.

O Projeto Get Back serviria para isso. Retornar a isso. Como já não eram mais aqueles garotos,sofrendo na pele todos os infortúnios do mundo e pressionados pela mída, pelo show biz, pela responsabilidade da fama, do que representavam em bilhões aos empresários da musica e etc. o projeto se desnaturou por si. Diz uma máxima: todo mal traz em si a semente de um bem equivalente: a tentativa frustrante do espírito do Get Back levou à ideia de baixar as cortinas, contando ao mundo a longa  e sinuosa estrada percorrida pelos garotos, em busca do reconhecimento,fama, fortuna e tudo o mais: nascia Abbey Road, que contaria a História toda e, agora sim, chega de (The) Beatles.

Garotos como esses não deixariam que um mero policial estragasse um projeto deles. Mas eles poderiam armar toda a situação, para que assim ficasse parecendo.
"(ºJº)"

   

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

The life in a day


In my life
When I was a little boy
I once had a boy or should I say he once had me
So This boy told me
I was great!

The magic of the music touching my soul seems to light the way
And open up the doors if you turn off your mind
Do you want to know a secret?
There’s nothing on earth we can’t do
And God is a concept by which we measure our pain
Because
Everybody has to be the weaver of his own sweat dream
And the word is love. All you need, please
Try to make it better each and every day. And do it!
Just keep on playing the mind games to the end of the beginning and say:  I want you!

 Like a UFO you came to me and I call your name
Won’t you come out to play?
There’s never a space in between the beat our hearts

Oh, boy!
Nobody told there’d be days like these… Help!

Bless you
Wherever you are
You are here, a real love: thank you, thank you, thank you.




Para comemorar o seu aniversário, dois desenhos de aprendiz, em grafite. Um sem os identificáveis óculos redondos. 
Uma Poesia, verdadeiro atentado aos direitos autorais, já que os versos são todos do próprio John. Meu mesmo, só a ideia e alguns conectivos necessários. Além da homenagem e agradecimento.


“(ºJº)”     2015, October 9th

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Ticket to a magical story

A história dos Beatles não tem fim. E não tem começo. Talvez por isso estou escrevendo sobre isso, cinquenta anos depois. Mas um cinquenta que não é depois, já que está embutido na própria estória, a que não tem fim. 
Os garotos tinham todos os ingredientes necessários para nunca dar certo. Chamados por alguém de "The Someone and the Somethings", já que não tinham um nome. Era a praxe da época, o nome "The X and the Y". Então John, timidamente arriscou um nome: Beatles. O dito cidadão ficou indignado: "e isso lá é um nome? Isso não significa nada. Não é nada!". Não é nada agradável ouvir isso de alguém a quem se pretendia pedir um autógrafo. E pediu. Talvez tenha sido esse o único autógrafo que ele pediu na vida. Por outros eram chamados de "The Five Guitars and the Nodrummer". Eram uma banda. Uma banda com cinco guitarristas e nenhum, nunca, um baterista. Menos mal que um deles acabou se perdendo pelo caminho. E sem contar também que o baixista não sabia coisa nenhuma de guitarra ou baixo ou qualquer coisa relacionada à música. Seu mágico dom: era amigo dileto de John. 
Com esse background, com esse belo portfólio restava passar tardes escrevendo cartas para agentes musicais, pedindo uma chance para serem colocados na lista de stars a se apresentarem nos shows de cinquenta atrações, tão comuns em Liverpool. No reply. Aliás, o relatado antes foi uma única vez em que um agente arriscou chamá-los para conhecê-los. O resultado foi o descrito, um fiasco total. 
Estímulo é tudo na vida. Depois das desastrosas andanças procurando uma oportunidade, chegar em casa, lar doce lar, e ouvir da tia Mimi: "muito bem, John! Tudo isso é muito bonito, muito lindo, mas jamais vai te dar dinheiro. Portanto, trate de arranjar um emprego!". Isso, dito pela pessoa que o sustenta não é também nada agradável.  
Outro recurso interessante era colar nos agentes ou em alguém que pudesse representar uma possibilidade de se apresentar em  público. E faziam isso com frequência. Mesmo que fosse, apenas para estar junto de alguém que pudesse representar uma chance. Houve alguém que estava reformando a garagem de casa para servir de bar e ponto de atração para os jovens, o que incluía música. Segundo o dono, seria um estrondoso sucesso, com apresentações de uma infinidade de bandas famosas, dinheiro e sucesso garantido! Só que, no momento, não há dinheiro para pagar para pintar e decorar a garagem. Vocês podem me ajudar? Sim, claro que podemos. E pintaram. E, como decoração, pintaram coisas, ideias que foram de pronto aceitas pelo grande futuro empresário.Era de graça. E no meio de toda aquela arte abstrata e comum, John desenhou um beetle. Ao final, perguntaram se eles também poderiam tocar. Ao que o empresário estranhou a pergunta: vocês têm uma banda? Sim, claro! Depois a gente vê isso. Obrigado pela ajuda, garotos! E então eles voltaram para casa, para ensaiar. 
Dando um grande salto na estória, os Beatles tornaram-se e eram conhecidos pelos músicos em geral, como a única banda que nunca ensaiava. Eles gravavam. Eternamente gravavam. Todos ensaiavam e ensaiavam, quando achavam que estava bom, iam para um estúdio gravar. Talvez a resposta esteja nisso: antes de tudo acontecer,  eles ensaiavam, ensaiavam e ensaiavam. E mais nada.
Afora todos esses componentes, havia uma coisa que agradava a todos. Aqueles garotos tinham um carisma inigualável! Se sempre havia um "não!" pronto a sua banda, era impossível se ver livre deles, não gostar deles. E eles sempre estavam por perto. Bastava que houvesse uma remota possibilidade de conseguir uma chance, lá estavam eles, na fila de músicos, esperando que alguma banda faltasse, algo inusitado ocorresse, para que pudessem se apresentar em público. Desde que providenciassem um baterista, claro!
 
13 02 2015 
  

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

This boy


Era uma linda tarde de Sol. Encontrei na rua um colega bem mais velho do que eu. Afinal, eu estava com 13 e ele com 15 anos. Um velho! Mas estava muito entusiasmado, com o ouvido colado ao que era chamado de "rádio espica". Disse: ouça isso! Mas não colocou no meu ouvido e sim apenas afastou um pouco do dele, para que eu também ouvisse. Daí se depreende que a música estava já sendo executada. Ouvi-a em parte, então. Mas foi o suficiente para que ficasse no mesmo entusiasmo do colega. Entusiasmo é uma palavra muito pobre para descrever. Fiquei mesmo foi alucinado. E a minha pergunta foi um tanto despropositada: o que é isso? E eu queria saber tudo, sem ao menos saber exatamente o que era o "tudo" que eu queria saber. Meu colega me disse: "é uma música de uns caras chamados The Beatles. Eles têm um monte de músicas. Uma melhor do que a outra!" Eu queria saber daquela e das outras músicas, onde ouvir, como ouvir. Ele me disse que um outro colega tinha "o disco". Eu vou até a casa dele, eu disse. Agora? Sim, agora. E fomos. Chegando lá, a mãe dele disse que ele não estava. A que horas ele chega? A noite. Voltaremos à noite então.

Após contar, minuto a minuto até às 7 da noite, cheguei, agora sozinho, à casa do tal dono do disco. Não tinha lá essas amizades com ele, mas fui logo dizendo: você tem o disco "dos The Beatles" e eu quero ouvir. Eu não estava exatamente "perguntando". A despeito da não muita amizade, ele também estava tão alucinado quanto eu e fomos então para o quarto dele, onde tinha uma vitrola, uma coisa de milionários, areia demais para o meu caminhãozinho. Pensamento típico de quem não tem sequer um caminhãozinho. E ouvimos um monte de músicas. Eu estava impressionado com a quantidade de músicas! Aquela que eu havia ouvido antes tinha o nome de "Thank you girl". Que eu não tinha a menor ideia do que significava. Eram ingleses, cantavam em inglês. Eu não sabia que existia um lugar chamado Inglaterra e obviamente desconhecia por completo a língua que eles cantavam. Mas cantavam bonito, cantavam gostoso, cantavam para mim. Uma língua deliciosa aquela, que eu não entendia nada! E o colega foi falando coisas sobre "os The Beatles", maravilhado como eu. Eles tinham os cabelos compridos e cantavam alto, eles gritavam. Os gritos eu entendia bem. Ouvimos várias vezes cada música. Repetíamos a música, sem ao menos ter ouvido a "próxima". Até que eu ouvi uma música, que agora eu já tinha até o nome  ali escrito: This boy.  

Diferentemente, This boy não tinha gritos e nem era cantado alto: apenas um cara cantarolando algo muito bonito, muito maravilhoso que me tomou por completo. Uma voz que me cantava alto na alma, voz forte, mas um grito como que contido. Ele não estava cantando no disco, parecia estar ali sentado e cantando para mim, exclusivamente. Ele, aquele cara, que agora eu sabia como John Lennon sussurrava gritando algo para mim, chamando-me, convocando-me para algo que ele mesmo não sabia exatamente o que era, mas que me queria junto. Vem comigo! Tudo isso em uma língua que eu entendia perfeitamente, muito embora desconhecendo em absoluto as palavras. E eu, naquele estado que me encontrava de alucinação agora havia sido abduzido para um outro universo. 
*******************************************************************************

Ninguém está nem um pouco interessado em minha vida, na minha história. Nem mesmo eu. Contei o meu primeiro contato com os Beatles, com palavras e conhecimentos de hoje para retratar o sentimento de yesterday, apenas para que você saiba que há milhões dessas histórias por aí, incluindo a sua. Elas são todas peculiares a cada um, mas a essência é sempre a mesma: o arrebatamento. Uma intimação que mais tarde seria reproduzida em um verso: I'd love to turn you on.   
E toda consequente Magical Mistery Tour é um assunto à parte.   

*******************************************************************************


This boy

 ******************************************************************************

 As 210 músicas ditas "oficiais" são aquelas que foram lançadas em seus 12 LPs. O melhor adjetivo para todas elas: são músicas dos Beatles. Melhor definição e qualificação é impossível.
Assim como eu, o mundo gostou muito deles: são cerca de dois bilhões de discos vendidos. 
Depois de ouvir atentamente a cada uma delas por mais de uma vez, bem mais de uma vez, o que me fascina continuamente são os "takes", gravações das músicas em seu processo evolutivo de criação. Nenhuma viagem lisérgica é mais alucinante do que ouvir cada um desses takes. Cada um. E eles são milhares. Caso você tenha MAIS algum, mande pra mim, como presente.
 *******************************************************************************

"This Boy"


Lançada na Inglaterra em novembro de 1963, como lado B de "I want to hold your hand".  Em setembro de 1963 foi feita uma gravação ao vivo para a BBC, que só a apresentou em  18 de abril de 1964.  Como o auditório comportava apenas cerca de 400 pessoas, mais de dez mil alucinados ficaram do lado de fora. Uma histeria coletiva que recebeu o singelo nome de Beatlemania.
Apresentada ao vivo em 16 de fevereiro de 1964 na segunda apresentação no Ed Sullivan Show em Miami, nos EUA. Foi a apresentação ao mundo do FabFour, fenômeno que tem o seu próprio livro de recordes. 



video



Parabéns, John!
This boy wants you back again

09.10.2013